31 de mar de 2014

Novo blog

 Prezados (e queridos) leitores:

Mudamos de casa!

A partir de agora minha produção poética pode ser acompanhada em novo blog:  Há quem diga que não era aquela música.


Espiem lá! Abração.

26 de fev de 2014

Sem título


teu silêncio
um esgar de músculos


frêmito do dia


rubro torpor sob os meus pés.

12 de fev de 2014

Considerações inúteis sobre a vida ou Nota para Caderno Terapêutico #14



1- Piada sobre negros ou homossexuais comovem o mundo. Piadas sobre gordos provocam riso. Não entendo.

2- Janelas, escadas e caminhões são sempre necessários.

3. Há uma grande diferença entre ser anti-social e mal educado.

4. Pizza com coca - cola pode resolver o problema da paz mundial.

5. Café salva vidas.

6 - A probabilidade de um avião cair em cima da minha casa é de 5%. Infelizmente.

7. Pais "castradores" geram filhos inseguros. Kafka que o diga.

8- Ficar triste faz bem pra alma. 

9-  Sexo, jazz e Rivotril [só não tente a bebida].

10 - Encontrar sua versão masculina: raridade. Mas acontece [deve ser Deus].

11. Woody Allen é o meu terapeuta oficial.

12 - Acho digno enfiar a cabeça no forno. Sylvia foi corajosa. Mas antes escreveu Ariel e aí está toda a diferença.

13. Gostar de POESIA é para poucos.

14. Minha metralhadora é cheia de mágoas. E de balas de goma.

15. Importante desligar todos os fios das tomadas da casa. Vai que.

16. Importante é ser feliz. Mentira.

17. Parente puxa saco é foda.

18- Tesão intelectual é tudo na vida. Depois do cappuccino alpino.

19- Timidez, sarcasmo e auto ironia.

20-  Importante ver o lado trágico da vida. E dramatizar um pouquinho. 

21- A taxa de acidentes com vizinhos que não cuidam do próprio rabo é altíssima.

30 de jan de 2014

Nota para Caderno Terapêutico #13

Chove a cântaros. Banho lunar na volta do supermercado. Gotas imensas engolindo as compras, as roupas, a coragem. Finjo dores que não são minhas, o amargo do café sempre pontual. Queria ser inteira sem me doer. Faróis inalcançáveis. Escureço por dias. Destranquei as travas internas de segurança. Chega.

sem título

mais uma prateleira
do guarda - roupa se desfez

não suportou o peso
das minhas vontades
todas separadas conforme
a cor
o tamanho
ou nível de desastre

bom era o tempo
em que a dor cabia
em um só bolso da calça.

sem título


depois da chuva
o que fica é este
verso à fórceps


e uma aspereza apropriada
para a boa convivência
entre poetas


riso alto para não perder
o equilíbrio


há ausências na varanda.

21 de jan de 2014

sem título



 o coração tem espaços oceânicos

descrevo com paciência o drama do dia
enquanto acumulam-se desenhos sob a pele

há uma ordem expressa
para o contentamento permanente

prefiro
morrer de insônia
do que de espera.


Nota para Caderno Terapêutico #12

 Ouço Billy Holiday enquanto espalho livros pela casa. Vontades mutiladas. Não consigo. Não consigo. Não consigo. Mantra. Faróis suspensos. "Don't know why there's no sun up in the sky/ Stormy weather". Mais um suicídio em São Paulo. Nublaram-se as intenções.