8 de ago de 2009

Mínimo II

Na verdade é essa inconstância que me mantem nesse mundo paralelo que aos olhos alheios causa esquisitice. Não tenho medo do mundo, apenas receio desta descoberta diária e imprescindível e da loucura mínima dos meus eus espalhados pelo canto da casa. Tenho receio, mas necessito. Difícil vivê-la com liberdade, despreocupação. O molde as vezes leva tempo para quebrar, tamanha falta de coragem. O que me mantém é essa espera não identificável , um querer ameno e sem regras e ao mesmo tempo contraditório. Sou miragem diante do espelho, quase inalcansável.

Um comentário: