11 de ago de 2013

Eu poderia cavar freneticamente (feito um cão buscando seu osso) até encontrar uma saída plausível para todo esse drama. Mas não. A canoa virou (comigo dentro) e eu não sabia nadar. Então, afundei. Até um fundo tão fundo que eu nem sabia que existia. O avesso do avesso do avesso (só que não daquele jeito lindo que o Caetano fala). Há desesperança em toda parte. Sim, há. Mas Beckett estava certo! Esperar por Godot é inútil. É autoengano. Auto exílio. Autossabotagem. Automutilação. Autoficção. Dentre esses, o último sempre me salva de qualquer tempestade. Escrever dói como um prego enfiado no pé. E arde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário