29 de jan de 2009

Poesia da Semana

Traduzir-se (Ferreira Gullar)

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim é multidão:
outra parte estranheza e solidão.
Uma parte de mim pesa, pondera:
outra parte delira.

Uma parte de mim almoça e janta:
outra parte se espanta.

Uma parte de mim é permanente:
outra parte se sabe de repente.
Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,linguagem.

Traduzir uma parte
na outra parte
— que é uma questão de vida ou morte
—será arte?


De Na Vertigem do Dia (1975-1980)

Um comentário:

  1. Ótimo "post". Lembro um dia em que lhe enviei esta poesia porque me fazia lembrar nós dois.
    PS. Já contamos com 6 doenças catalogadas!

    ResponderExcluir