1 de mar de 2010

Vanessa X Raquel (parte 1)

Estava eu já me encaminhando para desfrutar de um belo sono e de uma noite tranqüila, sem menores sobressaltos, quando de repente eis que surge a incontrolável Raquel Reis! Leitores, me perdoem, mas eu já estava muito cansada para suportar as intempéries da nossa amiga , mas tive que ceder após tantas reclamações e ameaças em não me conceder mais entrevistas explosivas. Pois bem. Raquel queria se confessar, anda um pouco cabisbaixa mas com aqueles olhos de Capitu  sempre em chamas... e a língua vigorosa é claro!  Transcrevo o diálogo abaixo:

(Raquel num modelito totalmente punk e uma pimentinha tatuada no pescoço)

VR: Raquel? Isso são horas de aparecer....
RR: Ora ... ora... pseudo-jornalista... vai me esnobar? Olha que...
VR: Tudo bem. Diga, o que você quer de mim?
RR: Tudo.
(sinto um frio me percorrendo a espinha neste momento , até porque ...)
VR: O que há no seu tudo?
RR: Quero suas orelhas.
VR: (ui ui ui começo a achar q Raquel está alcoolizada)
RR: Mais precisamente seus ouvidos para eu me confessar....
VR: Ufa! Era só isso... Pode falar, o que te aflige menina perturbada?
(depois de tantas entrevistas , eu e Raquel ficamos amigas e temos nos ancorado nos poços mais escuros)
RR: Tenho um novo poema.
VR: Que bom! Pode me mostrar?
RR: Ele está só na minha cabeça, preciso de você para vomitá-lo.
VR: Humm... mas tem que ser hoje? Estou tão cansada...
RR: Por favor, depois ele evapora , preciso de você...

(fiquei até com pena, ela fez uma carinha...Me sentei em frente ao computador e Raquel me ditou os seguintes versos)



Eu percorro
Teus contornos
Velozmente
Como em uma avenida
Sedenta de barulho e sombra
E me descomponho
Na curva da tua inocência
Pecado paixão e morte. 


VR: Gostei Raquel. Vibrante.
RR:. Eu diria , excitante. Tive tesão intelectual quando o escrevi.
VR: Ok. Mais algum?
RR: Sim, tenho várias me revirando o estômago.

(outro)


O verso que tatua meu corpo
E aquele que na dolorida manhã
Te pede,
(Tentando desentranhar-se de tuas pernas)
Que o deixe partir. 


VR: Hum...Desejo latente sempre, não Raquel?
RR: Sempre, é o desejo que me move.
VR: De onde vem esta inspiração?
RR: Da impossibilidade de concretizar.
VR: O que exatamente?
RR: O amor.
VR: Você acredita no amor, Raquel?
RR: Acredito no amor de um jeito transgressor, amo com liberdade. Mas prefiro uma paixão que rasgue meu peito intensamente e que seja breve do que um amor tranqüilo e que perdure por anos.Uma paixão platônica avassaladora também cai bem.
VR: Mas o amor tranquilo deixa de ser intenso?
RR: Certamente. Acho que amor, paixão e tesão deveriam andar de mais dadas. E com o amor você deixa de frequentar os hoteis baratos que são responsáveis por boa parte da adrenalina .
VR: rsrsrsrsrs (riso escandalizado,mas contido).  Você me surpreende sempre.
RR: Esta é a minha função na sua vida. Te surpreender e te abrir os olhos para o (sub) (novo) mundo.
VR: Pois é garota, não me deixe dormir acordada. Posso ser tragada por aquele cotidiano de esperas.
RR: Corre-se o risco. Mas não vou deixar . Farei você virar pelo avesso.
VR: Vai com calma...
RR: Este medo que habita em você me corrói os pulsos, porra! Liberte-se!
VR: Não precisa tanto... você já está fazendo isto por mim.
RR: Mas você tem que fazer por você! Nao eu! Ora fodam-se esses seus conceitos que não mudam nunca! Você nao é assim! Tanto é que me criou!
VR: Agora vejo que a criatura se rebela contra seu criador!

(leitores, eu temia por esse dia ...o confronto: Vanessa X Raquel)

RR: É a única forma de fazer você transgredir. Confronto. Encare a si mesma com a cara lavada e peça as contas deste mundo que você criou! Este mundinho podre de aparências  que você não tolera , mas que insiste em habitá-lo.

VR: Já vivencio muitas coisas agindo da sua forma... estou me adaptando à você... Mas ainda há barreiras, admito. Intransponíveis no momento.
RR: Quero mais espaço na sua vida.
VR: Como assim? Me dominar quase completamente?

(parece que estamos discutindo a relação)
RR: Mais espaço para eu transgredir por você por um tempo. Até chegar ao seu limite onde você não  mais se reconheça. Depois é com você. E sei que falta pouco, muito pouco para esta libertação VAnessa.
VR: Estou cansada, vou dormir...
RR: Só mais uma coisa ...

(Raquel me olha profundamente nos olhos e me pede em súplicas)

RR: Ou você me dá mais espaço ou vou desaparecer do seu mundo. Não será nada bom neste momento baby. Você precisa de mim. Sei que já surgiu a Clarice César de Abreu. Gosto dela. É intensa. Mas francamente, eu surgi primeiro. Você se alimentou dos meus versos infinitamente e eu mereço sua consideração!
VR: Clarice é diferente. Terna mas com o peito explodindo. Não seria ótimo tê-las ao mesmo tempo?
RR: Talvez. Mas eu deveria ter privilégios,não?
 (neste momento Raquel larga uma baforada descarada em minha cara para nao perder o costume e bate a porta com força)


Leitores, admito a existência de Clarice César de Abreu (bem diferente de Raquel) como vocês podem constatar aqui neste blog. Mas Raquel está tomada pelo ciúmes! Não posso perdê-la! Metade da minha obra foi escrita e impulsionada por ela! O que eu faço? Por favor, deixem seus conselhos e comentários aqui neste humilde blog e me socorram! Mas agora vou dormir, ok?

3 comentários:

  1. Hummm...dificil.Clarice Cesar Abreu e Raquel Reis se confundem, se misturam. Ambas sao impetuosas no pensamento, fortes em dizer aquilo que aos outros causa incomodo, capazes de trangredir em tudo. No fundo acho que Clarice Cesar Abreu acaba se tornando o alter-ego de Raquel, mas nao a impede de vomitar suas insatisfaçoes. No final as duas acabam se completando, mesmo que seja uma relaçao temporal e rapida, mas com certeza sera uma convivencia extremamente prodiga em devaneios verdadeiros e em sonhos encarcerados que as duas nos farao pensar muito...Pior que elas me fazem pensar em coisas que me incomodam. Prospera parceria, eu acredito !!!!

    ResponderExcluir
  2. Raquel Reis: Hum... eu provoco reações...

    Clarice Cézar de Abreu: Caro leitor, vamos compartilhar nossas feridas...

    Vanessa: Elas "incomodam" você leitor de alguma maneira?

    ...

    É isso meninas! Provocando, cutucando, remexendo com tudo que mora no fundo oceano...

    ResponderExcluir
  3. Raquel Reis - Anjo apocalíptico anunciando "novo dia dia novo" aos que ousam transgredir.
    Eu sei o quanto a Vanessa é perigosa para a Imoral Raquel.

    ResponderExcluir