15 de abr de 2010

Você por aqui?!

Caros leitores, me perdoem a ausência  pois  fui consumida pelo teatro e abandonei a literatura... mas agora estou (estamos) de volta! Até Clarice Cézar de Abreu aparceu. Confira o profundo diálogo...




CLARICE CÉZAR DE ABREU:  A solução está no fim.
(olhei para trás e olha só quem apareceu... a nostálgica Clarice com seus questionamentos e devaneios infindáveis. Segurava uma xícara de café fumegante entre as mãos e trazia os longos cabelos soltos, escondendo-se atrás de um enorme óculos de sol)
VANESSA: Ora ora Clarice , a que devo a honra de vosso retorno? Eu estava aqui em completo abandono...
CCA:  (olhando para as paredes do meu quarto)   As fotografias são traiçoeiras, pois capturam um passado que não volta mais.
VANESSA: O que há com você Clarice, algo a incomoda?
CCA: O mundo me incomoda. Fui invadida por uma falta de sentido tremenda.
VANESSA: Está Drummondiana hoje, então?  E essa história de fim? Solução? O que você pretende?
CCA: Nada. Você entenderá quando eu publicar meu terceiro livro de poesias e escrever   minha quinta peça de teatro.
VANESSA: 35! O que significa?  (Clarice me causa arrepios)
CCA: Nada de extraordinário minha cara... apenas a verdade.
VANESSA: Está escrevendo algo minha cara?
CCA: Pensando em adaptar alguma obra literária para o teatro  “Na Curva do meu coração” se chamaria o espetáculo. Mas apenas pensando... (Clarice começa a recitar)
Nasce no meu peito
Um pranto desritmado
Que nem a palavra
É capaz de amenizar.
Punhal rasgando a carne
Do meu desejo.
VANESSA:  Gostei. Profundo. E por acaso você viu a Raquel? Depois da discussão que tivemos, não mais a vi...
CCA: Sim, saímos juntas há um tempo atrás. Tive que retirá-la á força do bar por não saber mais quem era de tanto álcool no sangue.  Ela está muito magoada com você. Quer mais espaço em sua vida.
VANESSA: ... de novo aquela conversa....
CCA: Ela não desistirá de você  Vanessa e nem eu.
VANESSA: Ok! Estou bem acompanhada!
CCA: bem, tenho que ir. Há um céu estrelado lá fora me esperando... mas tenho um conselho para dar á você.
VANESSA: Sim?
CCA:  Acho que devemos fazer coisa proibida, senão sufocamos. Mas sem sentimento de culpa e sim como aviso de que somos livres.
VANESSA: Clarice e seus mistérios... (ainda quero descobrir porque ela não tira os óculos de sol) Agora espero a visita de Raquel... até a próxima! 

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. 35! O que significa?

    "Um pranto desritmado
    Que nem a palavra
    É capaz de amenizar"

    Existe alguma coisa entre as palavras, mas como decifrar o código se a minha lente, ora aumenta tanto as coisas que as tornam confusas, ora invertida diminui tanto que me mantém distante?

    ResponderExcluir
  3. São mistérios de Clarice C. A. Talvez só Caio F. para decifrar...

    Manter uma distância segura para não se ferir é o mais indicado, penso assim.

    Essas criaturas profundas demais me atemorizam... mas me atraem!

    ResponderExcluir