18 de jul de 2011

A chuva parou agora a pouco, porém a tempestade aqui dentro continua. Ritmo frenético para o infinito. E vou navegando, mar revolto e uma voz me chama. Não ouço. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário