16 de dez de 2013

sem título



de navios
eu quero ontens
ancorados no meu braço
esquerdo

silêncio de corredores
para toda poesia
que sangra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário