15 de abr de 2011

Sempre na corrida da vida, na velocidade do dia, no instante do atraso.Correndo sempre, relógio descontrolado, tempo desconjuntado. Rosto que cansa, memória vazia que desabrocha em dia cinza. Aprendiz da dor de não ter sido.

3 comentários: