30 de abr de 2012

O que me move é esse não estar em lugar algum. É porque não me sinto em nada, absolutamente, ausente de mim mesma. É um não estar ali tão perigoso e irresistível, que não deveria voltar. Como Alice, acreditando em sua loucura. O que me move é esse não saber por que findo sempre que começo e por que não me sinto íntima de mim a ponto de saber quem sou. Um quase nada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário