12 de mar de 2013

Depois do abraço, o caos. Um chuveiro quente para amenizar  a perda cotidiana e só. Não importa o que virá depois. Frustração eterna de quem busca, mas não encontra. Ando me buscando nos lugares errados, nas estações incertas, em um verão sem fim. Não há mais o que dizer sobre um dia tão cinzento. Talvez Allen para reafirmar o meu discurso. Ou não. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário