2 de mar de 2013


É porque sempre tenho uma dor, uma angústia, um descarinho, uma pedra no sapato, um por fim. E não um beijo, um sim, um sol, um Beatle. É assim, sempre. Como o fundo de um poço sem fundo, interminável, sem nenhuma luz (no fim). Meus pés doem, mas é o peito que aperta. Tenho medos secretos. E sono, muito sono (mas não posso). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário