12 de jun de 2013

Notas abelardianas ou o recomeço

E se fosse um drama, desses que o vinil arranha até a mágoa? Fatal, és tu. Com a sinopse perfeita do teu corpo, me entrego (e não). Já chega, Abelardo. Quero um fim, um nó, um caos e só.  Ei de ancorar-me em qualquer nau que não a tua, enfim. Segura a minha mão. E vem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário