29 de out de 2013

Daqui posso ver a primavera




Gosto de ficar aqui pés descalços e uma vontade imensa de voar posso ouvir o ruído dos carros lá embaixo e os homens ocos gritando impropérios por um dia melhor a cidade fica diferente deste ângulo o que não muda é Godot que nunca chega ensaio adeuses enquanto Ana C. sussurra em meu ouvido a vida é muito mais do que isso Rebeca e uma flor nasce entre os meus cabelos eu poderia voltar para aquela vida besta uniforme bordado e a foto na carteira estampando meu desassossego um dia nublado neste mês de abril e tanta coisa acontecendo  mas muito pra mim é tão pouco e pouco é um pouco demais  eu queria dizer algumas palavras de arrependimento talvez uma rima que aprendi na infância minha mãe sempre dizia que menina esquisita  e eu com um sorriso de implodir navios posso ouvir o relógio da sala marcando cada segundo de espera  o cachorro latindo para o nada o programa de TV anunciando dez maneiras para ser feliz gosto de sentir  a chuva inundando o que sobrou de mim o cigarro rodopiando até atingir o chão e o voo das páginas com o meu último poema gosto de sentir meu corpo escorregando suavemente  pelo  parapeito da janela  a vida bailando em um dia azul gosto de ver o revoar dos pássaros enquanto estou caindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário