28 de dez de 2013

Nota para Caderno Terapêutico #9

Sofro, logo escrevo. Por onde anda o conflito nesses últimos dias? Cadê aquele aperto no peito que arrebenta com tudo? Fim de ano e a calmaria se instala por aqui. Já dizia Woolf que a vida é um conflito permanente [ou quase isso]. Então aqui estou esperando pela próxima tempestade, em nome da criação artística. Esse estado de letargia não me agrada. Prefiro a fúria, mar revolto, sangue quente. Nem o título para um poema eu consigo. Começam a surgir espaços vazios em todos os cantos. Não há mobília suficiente. É preciso inventar novos dramas.

2 comentários:

  1. Fica tranquila! Versos virão! E se não vierem, tu pega eles a força! As coisas fáceis não tem graça!

    ResponderExcluir